segunda-feira, 22 de junho de 2015

DESCOBRINDO A PALAVRA






Objetivo: Testar conhecimento bíblicos das mulheres

Material:
· Balões;

· Papel (folha de caderno ou papel sulfite);

· Caixa de chocolate (ou outro prêmio de sua escolha).

Preparação:

· Recorte o papel em tiras de modo que seja possível colocá-las dentro dos balões;

· Escolha alguns versículos e no papel escreva uma palavra que esteja contida no verso escolhido. Ex: “Disse-lhe Jesus: ‘Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” João 14:6. Desse versículo pode ser escolhida a palavra Caminho, ou Verdade, ou Vida.

· Coloque os papéis com as palavras dentro dos balões, encha-os e os coloque em algum local no ambiente da reunião;

Desenvolvimento:

· Separe as mulheres em grupos (dois ou mais);

· Cada grupo deve eleger uma líder;

· A líder terá que ir até o local em que estão os balões, escolher um, estourar e ler o papel para seu grupo;

· O grupo deve recitar um versículo que possui aquela palavra;

· No final, o grupo que acertar mais ganha o prêmio.

Observações:

· Fique a vontade para modificar essa dinâmica e adequá-la à realidade do seu grupo.



O PESO DO PECADO




Objetivo: Levar as mulheres a refletir na importância de se confessar pecados Material:

· Um saco de lixo grande e preto;

· Balões;

· Balas;

· Alfinetes;

· Papel.

Preparação:

· Escreva em pedaços de papéis versículos de vitórias e bênçãos;

· Coloque dentro do saco de lixo os balões cheios, as balas e os papéis com versículos;

· Dê a cada participante um alfinete.

Desenvolvimento:

· Com o grupo em roda vá passando o saco amarrado para cada pessoa, que deve citar um pecado e estourar um balão com alfinete até que não reste nenhum;

· Quando o saco estiver vazio coloque-o no meio do círculo;

· Reflita: Ao confessarmos nossos pecados, Deus nos perdoa e nosso fardo fica mais leve. A palavra nos diz que: “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça. 1 João 1:8-9”;

· Peça para que os participantes abram o saco, peguem as balas e leiam os versículos;

Reflexão:

· Finalize explicando com suas palavras que quando nos arrependemos de nossos pecados e os confessamos, Deus nos perdoa e começa agir em nossas vidas derramando suas bênçãos sobre nós.

Observação: Sugestão para usar em programa sobre o Perdão, Pecado...


DINÂMICA DA FLOR





1. Cada participante desenha e pinta uma flor bem bonita e recorta-a (Pedir que o cursista desenhe pensando em si mesmo. Uma flor que represente ele).

2. Após ter pintado e recortado, divide a flor em duas partes iguais.

3. Dá uma das partes a alguém / recebe uma parte da outra pessoa (Solicitar que nesse momento ele escolha uma pessoa, dê um abraço, fale palavras de incentivo, otimismo fé..., enfim criar um ambiente de confraternização).

4. Após ter recebido uma das partes da outra pessoa, cola a parte que recebeu com aquela que ficou com ele (numa nova folha de ofício), formando uma nova flor (agora com dois pedaços de flores diferentes).

5. Recorta novamente a nova flor e divide em duas partes iguais (de modo a ficar, cada parte, com pedaços das duas flores anteriores).

6. Repete as orientações do item 3.

7. Repete as orientações do item 4 (agora a nova flor formada terá quatro partes diferentes).

8. Após a última formação da flor (com quatro partes diferentes), cada participante coloca seu nome e faz-se uma exposição com todas as novas flores formadas / cada um reflete sobre sua flor.

9. Cada participante procura identificar quais as pessoas autoras das partes que compõem a sua flor.

10. Questionamentos e discussões sobre as experiências vividas (primeiro momento de discussões).

11. Após a primeira discussão, cada participante procura identificar onde estão as partes da sua flor original (Identifiquem e memorizem as pessoas que estão com partes de sua flor).

12. O Formador solicita que todos os participantes caminhem no centro (pode ser utilizado um fundo musical), e, após o sinal dele, todos param e fazem uma conexão (dando as mãos) com todas as pessoas que possuem partes de sua flor original.

13. Visualização e reflexão em grupo (segundo momento de discussões).



14. Principais pontos para serem refletidos e discutidos que são provocados pela Dinâmica da Flor:
Integração;
Interação;
Conhecer a si / re-conhecer a si;
Conhecer o outro / reconhecer-se no outro;
Relações;
Construir;
Destruir;
Reconstruir;
Resultado de um trabalho compartilhado;
Resultado de várias etapas a serem cumpridas, vencidas;
Rede de relacionamentos;
Etc.



Conversa à Mesa



Sugestão de encenação para o Dia das Mães.

Conversa à mesa
Estamos com problemas! Vamos resolvê-los?

Local: Uma casa de chá.
Ambiente: Um salão de festas onde ocorrerá um chá beneficente.
Participantes: Oito mulheres conversam, em torno de uma mesa, sobre seus problemas domésticos.
Eva: Filhos rebeldes
Mulher de Noé: Ambiente inadequado
Sara: Expectativas sobre impossibilidades humanas
Joquebede: Uma luz no final do túnel
Abigail: Convivendo com um alcoólatra
Ana: Convivendo com “a outra”
Betseba: Desejada pelo chefe
Salomé, mãe de Tiago e João: Quero meus filhos “lá”

Início
Uma mesa redonda, de oito lugares, será colocada em lugar visível, no centro ou à frente do grupo que irá participar do chá. Sugerimos que as outras mesas estejam postas em círculo, a fim de que a mesa da representação possa ficar em lugar de destaque, no meio das outras. A mesa deverá estar decorada da mesma forma que as outras, na forma, mas a louça, a toalha e a própria mesa e as cadeiras deverão ser de modelo antigo. Os personagens poderão se servir e comer, naturalmente, durante a conversa. Podem servir umas as outras.
Após se ouvir uma música instrumental, suave, as oito mulheres começarão a chegar e sentar-se-ão à mesa. Deverão demonstrar que se conhecem ao se cumprimentarem de forma alegre, revelando amizade antiga. Logo após todas haverem chegado, começam, em voz audível, uma conversa sobre os problemas que cada uma delas viveu e como conseguiram resolvê-los.

Eva – Que bom termos nos encontrado aqui, hoje à tarde. Faz tanto tempo que não nos encontramos. É bem verdade que cada uma de nós sempre tem notícia da outra. E isso é muito bom. Nossa amizade, nem o tempo tem conseguido apagar. Sou grata a vocês por haverem sido solidárias comigo quando da tragédia que se abateu sobre o meu lar. Sei que tenho muita culpa por não haver obedecido às orientações do Senhor. O pecado se instalou entre nós a partir de mim. Meu lar não foi poupado. Meu filho Caim tornou-se amargo, rebelde e permitiu que a inveja e o ciúme tomassem conta de sua vida. Matou Abel. Deus na sua infinita misericórdia nos deu mais filhos e filhas e quando nos foi dado nosso neto, Enos, o nome do Senhor começou a ser invocado em nossa casa outra vez. Isso mudou tudo. Nosso relacionamento familiar melhorou, a vida tornou-se bem mais agradável em nossa família.

Mulher de Noé – Pena que as outras famílias não tenham seguido o exemplo da sua, querida Eva. As pessoas tornaram-se muito más e chegaram a tal ponto de desobediência que Deus resolveu destruir tudo que havia construído a partir do paraíso onde vocês tiveram a sua primeira residência. Meu marido recebeu a incumbência de construir uma grande embarcação. Eu não conseguia entender porque Noé se empenhava tanto nessa construção e, ao mesmo tempo, falava a todos que se aproximavam dele sobre a destruição que estava por vir. Até o dia quando ele nos chamou, a mim, nossos três filhos e nossas noras. Informou-nos que por um período nós iríamos morar dentro daquela embarcação. Imaginem vocês... Não poderíamos levar nada de nossa antiga casa. E o que era pior, teríamos que conviver com uma porção de animais silvestres com aquele cheiro insuportável. No início não gostei nem um pouco. Confesso que resmunguei, lembrando o que de bom havia deixado em minha antiga casa. Até o dia em que Noé me chamou a atenção para o fato de que, a partir de nossa família, Deus iria recomeçar a história da humanidade. Reconheci que não basta um ambiente agradável para se viver se Deus estiver ausente dele.

Sara – Vocês falando sobre rebeldia de filhos, sobre ambiente físico e eu aqui pensando como para mim o desejo de ser mãe foi intenso e cheio de expectativa. Quando meu marido e eu tivemos de sair de nossa terra, obedecendo a uma orientação de Deus, partimos para outro lugar que nunca havíamos ouvido falar. Foi-nos feita uma promessa que teríamos um filho e que através dele todas as famílias da terra seriam abençoadas. Eu até que esperei, durante alguns anos, acreditando ser possível. Mas, à medida que fui ficando mais velha a descrença começou a tomar conta de mim. Não haveria como, pensava eu, ter filhos na minha situação. Do ponto de vista do meu corpo... jamais seria possível. Eu já estava com mais de 89 anos. Mas quero afirmar a vocês, queridas amigas, para Deus não existe impossibilidade. Quando ele nos faz uma afirmação ou promessa, como vocês queiram chamar, o prometido acontece. Fui mãe aos 90 anos de idade. Parto normal. Tive um filho saudável e através dele a promessa de que todas as nações da terra seriam abençoadas, se concretizou.

Joquebede – Já a minha situação foi a seguinte: Como sobreviver em tempos de crise? Descobri que é necessário ter a família unida em torno da solução que Deus nos inspira. Todos precisam estar atentos para executar a sua parte. Lá em casa foi assim. Nosso bebê estava correndo perigo de vida. Unimos-nos, distribuímos as tarefas, todos se solidarizaram e conseguimos, como família, sobreviver à crise. Havia um plano específico de Deus em relação ao nosso filho mais novo e era necessário que contribuíssemos com nossa obediência às suas orientações. Aprendemos, também, que a família que se une para enfrentar uma crise sempre sai mais fortalecida. No nosso caso foi assim que aconteceu.




Abigail – Eu era muito jovem quando me casei com Nabal. Ele era um homem bem mais velho do que eu e tinha hábitos que me desagradavam. Além de ser ríspido com as pessoas, chegava a se tornar embrutecido quando se entregava ao vício da embriaguez. Resolvi desenvolver um comportamento prudente em relação à sua maneira de ser. Nunca o enfrentei nem contestei sua maneira de ser ou agir. Geralmente, me colocava por perto dos estragos que ele cometia com as pessoas e procurava reparar com atitudes gentis e pedidos de desculpa os males que ele causava. Deus me recompensou. Afinal, se a palavra dura suscita a ira, a resposta branda desvia o furor. Consegui, certa vez, aplacar a ira do meu Rei quando este foi agredido pelos maus modos do meu marido. Quando fiquei viúva, o Rei Davi lembrou-se de mim. Convidou-me ao seu palácio e me pediu em casamento. Fui feliz com meu segundo marido.

Ana – Estive ouvindo atentamente a conversa de vocês, aliás, o depoimento de cada uma. Verifiquei que cada história retratou uma situação adversa e que todas chegaram a um final feliz. No meu caso, tive que conviver com a “outra” mulher do meu marido. Era uma convivência sofrida, uma vez que ela gerava filhos quase todos os anos e eu era estéril. Essa situação provocava uma tristeza e um desgosto muito grande em mim. Por mais que meu marido me garantisse que me amava eu me sentia em desvantagem e ainda tinha que conviver com o malicioso desdém da “outra”. Certo dia resolvi pedir ao único que poderia me ajudar no meu infortúnio. Orei, supliquei mesmo ao Senhor que me desse um filho. E fui além. Prometi que se Deus me desse um filho eu o devolveria para Ele todos os dias da sua vida. Deus ouviu minha oração. Meu filho Samuel nasceu e eu o entreguei ao Senhor. Em compensação, vieram mais outros filhos que foram a alegria do nosso lar.

Betseba – Ser cobiçada pelo homem mais poderoso da minha terra poderia ter sido motivo de orgulho para mim. Mas não foi assim que me senti. Eu era casada e meu marido era um homem honesto, corajoso e leal para com o seu chefe. Durante uma das suas ausências do lar, ele era soldado e nosso país estava em guerra, fui vista pelo seu chefe que da varanda da sua residência me observou durante um banho que eu tomava ao cair da tarde. Mandou me buscar e tive que acompanhar o seu ajudante de ordens. Não poderia desobedecer às ordens do Rei. Praticamos adultério. Fiquei grávida. Meu marido foi morto durante a guerra. Mesmo casando comigo, a fim de consertar o erro, tanto eu como o Rei fomos alcançados pela justiça de Deus. Aquele nosso filho morreu, afinal era filho do pecado. Em seguida, sinceramente, reconhecemos nosso pecado e nos arrependemos. Deus nos perdoou e nos deu a felicidade de vir a ter outro filho que até hoje é considerado como o homem mais sábio que viveu na terra.

Salomé – Que mãe não gostaria de ter seus filhos junto a um grande líder? Não apenas servindo-o, mas, principalmente, assumindo posições de honra e exercendo o poder. Era assim que eu raciocinava. Eu não havia ainda chegado à minha maturidade espiritual. Quando solicitei a Jesus que colocasse meus filhos, um à sua direita e outro à sua esquerda quando o seu reino fosse instalado na terra, fiz uma oração insensata. Não é assim que uma mãe deve orar por seus filhos. Creio que aprendi mais do que nunca, hoje, aqui, ouvindo minha amiga Ana dizer que a oração correta é aquela em que nós entregamos nossos filhos nas mãos do Senhor a fim de que Ele venha a colocá-los no lugar a que foram destinados. Há um plano específico para cada um dos nossos filhos. Nosso papel é instruí-los no caminho por onde devem andar, o mais o Senhor mesmo completará na vida de cada um.

Final

As mulheres se levantam e se cumprimentam afetuosamente. Depois saem de forma natural e se assentam nas demais mesas a fim de participar da tarde festiva.


Onely Mabel da Paz Carneiro

Arquivo Visão Missionária 2T07

Dinâmica da Ilha e do Tubarão



Dinâmica da Ilha e do Tubarão



Objetivo: Promover de intergração e reflexão.

Material necessário: jornais e aparelho de som

Desenvolvimento: Deixar o ambiente livre de cadeiras, afim de facilitar que as mulheres possam andar pela sala.

Fazer a seguinte explicação: Vamos imaginar que essa sala representa o mar. Serão colocados jornais abertos que representarão ilhas.Todas as vezes que a palavra TUBARÃO for mencionada vocês deverão correr para a ilha. Quem ficar fora da ilha o tubarão vai pegar.

Ao fundo pode ser colocada uma música, abaixe o som todas as vezes que a palavra TUBARÃO for pronuunciada.

Diga a palavra algumas vezes para “ensaiar”, posteriormente comece a ir retirando os jornais.

Cada vez que for pronunciada a palavra retire um jornal. Faça isso até que as mulheres fiquem bem unidas dentro dos jornais.

Para encerrar mantenha elas nos jornais e diga o que a dinâmica representa.

MAR: nossa vida

ILHA: a unidade em Jesus

TUBARÂO: inimigo

Jesus está conosco no meio das adversidades, mesmo que o inimigo fique ao derredor. É muito importante estarmos em unidade com a igreja e com o Senhor.

Com certeza Deus dará uma forma de interpretação diferente dessa dinâmica para você.

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Caixas Artesanais, da Dalvinha.

Precisava postar essas caixas maravilhosas, criação da nossa sócia, Dalva. Parabéns, Dalvinha, são lindas as suas obras, um verdadeiro dom de Deus, minha linda.























terça-feira, 27 de agosto de 2013

O IDOSO E A FAMÍLIA - Benção ou Peso?

Programação muito boa onde discutimos os desafios que a terceira idade enfrenta na sociedade, na família e com ele mesmo. Muita participação de todas, muitos testemunhos, muito crescimento,
muito aprendizado... "Os que estão plantados na casa do Senhor florescerão nos átrios do nosso Deus.Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e vigorosos, Para anunciar que o Senhor é reto. Ele é a minha rocha e nele não há injustiça."
Salmos 92:13-15

Iniciamos com uma oração

Quebra-gelo ( A 1ª cena - dramatização de uma família que trata mal o seu idoso. A 2ª cena - dramatização de uma família exemplar, que sabe tratar e amar o idoso que tem na família)
Foram destacados os pontos negativos e os pontos positivos.

Foi lido o testemunho da missionária Edméia Willians, na verdade uma entrevista onde ela conta o seu testemunho, como se iniciou o trabalho desenvolvido no morro D. Marta no Rio de Janeiro. Uma pessoa foi a repórter.

Foi chamada duas pessoas idosas que falaram dos desafios de ser idoso na sociedade que vivemos.

A poesia: As Bem Aventuranças da revista Visão Missionária foi dividida em 4 partes para ser lida por 4 mulheres e assim ter a participação do maior número de sócias.

Foi distribuído papeis e as mulheres escreveram atitudes que gostariam que fossem adotadas para melhorar o relacionamento entre o idoso e o seus familiares. Ao final o dirigente chamou duas irmãs para que lessem todas as sugestões.

Foi lido o texto bíblico: "Os que estão plantados na casa do Senhor florescerão nos átrios do nosso Deus.Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e vigorosos, Para anunciar que o Senhor é reto. Ele é a minha rocha e nele não há injustiça." Salmos 92:13-15

O encerramento aconteceu com a poesia: A Diferença do Idoso e do Velho

Oramos